Momento Ebd - A gloria do ministerio cristao

09/01/2010

A Glória do ministério cristão

 

 2Co.1

 

12 Porque a nossa glória é esta: o testemunho da nossa consciência, de que com simplicidade e sinceridade de Deus, não com sabedoria carnal, mas na graça de Deus, temos vivido no mundo, e maiormente convosco.

 

13 Porque nenhumas outras coisas vos escrevemos, senão as que já sabeis ou também reconheceis; e espero que também até ao fim as reconhecereis.

 

14 Como também já em parte reconhecestes em nós, que somos a vossa glória, como também vós sereis a nossa no dia do Senhor Jesus.

 

21 Mas o que confirma convosco em Cristo, e o que nos ungiu, é Deus,

 

22 O qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nossos corações.

 

 2Co.2

 

4 Porque em muita tribulação e angustia do coração vos escrevi, com muitas lágrimas, não para que vos entristecêsseis, mas para que conhecêsseis o amor que abundantemente vos tenho.

 

14 E graças a Deus, que sempre nos faz triunfar em Cristo, e por meio de nós manifesta em todo o lugar o cheiro do seu conhecimento.

 

15 Porque para Deus somos o bom cheiro de Cristo, nos que se salvam e nos que se perdem.

 

16 Para estes certamente cheiro de morte para morte: mas para aqueles cheiro de vida para vida. E para estas coisas quem é idôneo?

 

17 Porque nós não somos, como muitos, falsificadores da palavra de Deus, antes falamos de Cristo com sinceridade, como de Deus na presença de Deus.

 

 Introdução: Estar no ministério; e isto digo, no reino; é estar na mais alta posição. Nesta segunda carta aparece a palavra “embaixador de Cristo”; usada para mostrar que os únicos representantes legais para representar á Cristo são os que tem crédito com o Senhor Jesus Cristo. É bem certo, que aventureiros aparecem, pois João já dizia “saíram de nós”, e Paulo neste episódio confronta-se com inúmeros aventureiros que se vangloriam de seus próprios méritos. Hoje vemos que a verdadeira diferença se nota com uma palavra: “autenticidade”. A averiguação de um ourives não é falsa quando se diz “é ouro!”. Não dá para não dizer de Paulo que não foi legitimo o seu apostolado, e genuíno o seu ministério. Arruinadores para por em cheque nosso ministério não irá faltar; e digo, ministério no sentido mas nobre da palavra: Servo! É começar a servir com qualidade, Sambalate, Tobias, aparecem; bom, isto é liquido e certo.

 

1.   O MINISTÉRIO APOSTÓLICO DE PAULO

 

 1.1 Confiabilidade, a garantia do ministério: Em nossos dias e em qualquer época; as pessoas não apreciam pessoas que não tem palavra; não é verdade? Deus concede a todas as pessoas a oportunidade de terem qualquer que seja o contato; acesso; ao único Livro que não deixa sombra de dúvidas sobre a sua confiabilidade: O livro. A base na sustentação do ministério cristão está no Livro confiável; confiável por causa do autor: Deus; confiável por sua mensagem: Jesus Cristo e confiável pela sua inspiração nos escritores graças ao:  Espírito Santo.

 

Estabelecer um ministério na base da confiabilidade da Palavra é garantia para um ministério frutífero. Paulo não gostava que sua equipe fosse composta de pessoas não confiáveis; vemos isto; pelos homens que andavam com ele; principalmente neste momento em sua segunda carta (2Co.1:1); e quando instrui Timóteo perto de morrer diz: Timóteo o ministério “confia-o a homens fieis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros” 2Tm.2:2.

 

 1.2 A força de sua consciência: Paulo estava sempre fazendo a vontade de Deus, diante de Deus com toda a consciência  (At. 23:31), sempre sem ofensa (At.24:16); pois Deus deixou em todo homem este tribunal no seu interior (Rm.2:15); a fim de que todas as ações sejam confrontadas (Jo.8:9). Paulo dava testemunho de sua consciência no Espirito Santo, o Espirito da verdade (Rm.9:1) nesta segunda carta temos três referencias importantes sobre isto:

 

 2Co 1:12 "Porque a nossa glória é esta: o testemunho da nossa consciência..." Quando a Biblia diz que Deus nos sonda, isso quer dizer que ele conhece nossas mais secretas intenções e reconditos de nossa consciência. Logo o testemunho da consciência age como a mais alta confiança de um homem e mulher de Deus.

 

4:2 "...assim nos recomendamos à consciência de todo o homem..." Paulo buscava mostrar aos irmãos que uma consulta á consciência nunca é tarde para avaliar o que realmente tem valor e o que não tem.

 

5:11 "...e espero que nas vossas consciências sejamos também manifesto..." Que sejamos lembrados pelo que fomos convosco e em vós, era o que Paulo esperava. Todo servo(a) de Deus espera que no tempo em que esteve no execício e convivio com os santos, de alguma forma possa ter influenciado para o bem. (1Ts.3:5)

 

A Biblia recomenda "uma boa consciência"; uma "pura conciência" ( 1Tm.1:5; 1:19;3:9; 2Tm.1:3), e nunca deixar ser "cauterizada" 1Tm.4:2

 

 "simplicidade e sinceridade de Deus" é a união de duas plalavras especiais:

 

 simplicidade: Inocência, modéstia. Não há nada que denote malicia, falcatruas ou maracutaias, Vale notar que o único medo do apostolo Paulo que ele deixa declarado é que o Diabo, a sagaz serpente consiga com seus ardis, apartar algum crente da simplicidade que há em Cristo. 2Co.11:3, a glória do ministério tem a marca da simplicidade de Deus e Cristo e não só isto:

 

 sinceridade: Uma mistura de franqueza e verdade. O desejo de Paulo foi isto para os irmãos, você não encontra nesta carta Paulo mostrando o que não era nem o que foi para os irmãos; porque? Porque era sincero, a palavra sincero está relacionada á ser sem cera, sem mascará, Paulo não tinha duas caras, aliás, ele mostra que "todos nós, com cara descoberta, refletindo como um espelho a glória do Senhor" 2Co.3:17

 

 1.3 A autenticidade ministérial: Como temos aprendido; um dos elementos de mostram autenticidade em nossos dias e o foi na época de Paulo; é o selo do Espirito Santo, que faz valer nosso ministério. Selo não apenas fala de propriedade, mas também fala de onde vem e para onde vai. O que alegavam de Paulo dizendo que era oscilante entre suas mensagens e que não tinha força para válida-las, ele deixa claro que sua palavra era como a do mestre Jesus, que confirmava o que dizia e diz, no poder do Espirito Santo. A fidelidade de Deus era clara no ministério de Paulo (1:18), e isto levava-os e pregarem acreditando que Cristo confirmaria. Pois a capacitação de Deus para obra era clara e não deixavam dúvidas " o que nos ungiu, é Deus"(v21).

 

 2.   A ATITUDE CONFIANTE DE PAULO EM RELAÇÃO Á IGREJA

 

 2.1 Razões da mudança de planos da ida de Paulo a Corinto: Sair de um lugar para o outro é o que Paulo mais fez na sua vida ministerial. Houve vezes que foi impedido pelo próprio Cristo, pelo próprio Espirito, pelo próprio Satanás; mas neste caso em Corinto Paulo tem o discernimento que não era uma boa ocasião estar pessoalmente com eles; até porque estava triste com a situação. Isto falta para muitos nos dias de hoje; o discernimento em ir ou não a algum lugar. Quando a situação não ficou boa entre Jacó e Esaú, o jeito foi um fugir (Gn.28); o proprio Jesus tinha esta sensibilidade (Jo.4:4; 11:6). Na realidade, a informação sobre as mudanças de planos na viagem de Paulo, não podemos limitar por causa de sua tristeza; pois senão contrariava a sua própria palavra, e isto não cabe a Paulo, pois, na primeira carta ele disse que esteve com eles no "começo"  em "fraqueza, e em medo..." 1Co.2:3, e na segunda carta ele diz "nos regozijamos de estar fracos" 2Co.13:9. Talvez o que Paulo queria era que sua situação emocional fosse outra, mas até nisso, ele traz lições (2Co.1:3.4).

 

 2.2 O perdão ao ofensor e a disciplina eclesiástica: A pessoa que procedeu mal (2:5; 7:12) não deve ser identificada com o homem incestuoso de 1Co.5. Fortes razões impedem que se considere os dois como uma só pessoa, interpretação também rejeitada por Tertuliano; pois exclusão do pecador da assembléia, pedida em 1Co.5:3, a entrega do mesmo a Satanás, de maneira estão coerentes com a branda atitude de 2Co.2:6.  É incrível mais que alguns não viam Paulo com nenhuma autoridade para disciplinar ou perdoar alguém, mesmo que anteriormente havia dido por carta "Eu plantei..." 1Co.3:6; foi um plantador da igreja; mas mesmo assim sua atitude foi a pastoral, diante deste episódio, ainda que a minoria não o tinha como pastor. O perdão ao ofensor mesmo trazendo desgastes á Paulo (2Co.12:15) ele dá uma aula para a abordagem do culpado, do que ofendeu. Veja:

 

 2Co.2:

 

 (7) "De maneira que pelo contrário deveis antes perdoar-lhe": Antes de condenar, está escrito "antes perdoar-lhe". Assim Cristo fez com ele, e fez conosco.

 

(7) "e consolá-lo, para que o tal não seja de modo algum devorado de demasiada tristeza.": Qual o disciplinado que não se sente a pessoa mais temerosa do mundo pelo que fez? Não façamos vistas grossas, além de receberem desvio de olhares, não serem saudados com a paz do Senhor, até mesmo alguns nem se falam mais. Um consolo; é o bálsamo que precisa.

 

(8) "Pelo que vos rogo que confirmeis para com ele o vosso amor." Disciplina sem amor é fazer uma cirurgia sem anestesia alguma. Mesmo longe do corpo de Cristo a necessidade de mostrar amor cabe a cada crente.

 

(9) "E para isso vos escrevi também, para por esta prova saber se sois obedientes em tudo.": Pense em como você gostaria de ser tratado estando em disciplina. Não gostaria de receber um telefonema, uma palavra etc... Sabe; a disciplina Deus até usa no meio de seu povo, para ver se até no tratamento com o disciplinado, fazemos o que a Biblia nos ensina. É pela falta de alguns bons tratamentos; e isto digo, não que deva ver como um coitadinho(a), antes Paulo é severo na disciplina, mas também é brando, que se criou a Igreja evangélica dos rejeitados; uma igreja formada pelos não tratados. Por outro lado, hoje vemos uma indiferença quanta ao erro de alguns, e com isto, por causa de história, sobre nome etc..ninguém faz nada. Mas, o Sumo Pastor tudo vê. Paulo leva a igreja nesta segunda carta a praticar o principio de (Pv.28:13).

 

(10) "...eu também perdoei...": Seguir o seu exemplo, mesmo longe ele dá o exemplo.

 

(10,11) "...para que não sejamos vencidos por Satanás. Porque não ignoramos os seus ardis." É mais sério do que se pensa este assunto, existe uma luta á vencer, é a luta contra a não exclusão dos corações do irmão(a)  disciplinado(a). Tem gente que acha porque fulano pecou já não dá mais. Deus é quem levanta.

 

 Para uma vida arrependida seu momento mais dificil é: O CAMINHO DE VOLTA. O caminho de volta sempre será um caminho de aprendizagem pois é:

 

Sempre o caminho de reconhecimento

 

Sempre o caminho de libertação do orgulho  

 

Sempre o caminho de superação

 

Este foi o quadro que envolveu o retorno do filho pródigo. Lc.15.

 

 2.3 A confiança de Paulo no triunfo da igreja:  Paulo não foi o tipo de obreiro que enviava para missão e esquecia. Não. Paulo apoiava, sustentava e etc.. Em uma ocasião mais propicia meditaremos sobre o "cuidado com os companheiros". Se existe um texto que não podemos passar é o do versiculo 12 

 

 "...mas na graça de Deus, temos vivido no mundo, e maiormente convosco.": A vivência de Paulo se dá em três aspectos segundo este texto:

 

 Vivendo na graça de Deus para Deus: Seu chamado foi pela graça; sua salvação foi pela graça, seu ministério foi exercido na graça, se fortaleceu na graça, cresceu na graça, multiplicou graça, desejou graça, não caiu da graça, caiu na graça, venceu pela graça. Graças ao Deus  de toda a graça.

 

 Vivendo no mundo, vencendo na graça: Nenhum tempo para se viver é diferente dos dias vividos pelo apóstolo. Dias maus, tempos trabalhosos, noite atuante, pecado reinante, influência teológia erronea viva, imúndicia impregnando, mundo no maligno, presente século de tempos para se remir, ele disse: "E isto digo, conhecendo o tempo". Paulo viveu no seu tempo, conhecendo o tempo em que vivia. (Rm.13:11).

 

 Vivendo com os irmãos a maior parte: Edificio de Deus, Coluna e firmeza da verdade, corpo bem ajustado de Cristo, templo do Espirito Santo, este e outros nomes você encontrará nas cartas de Paulo, porque, quanto maior tempo junto mais nomes, mais conhecimento.

 

 Antes "ele respirava ameaças contra a igreja"; mas depois "para que conhecêsseis o amor que abundantemente vos tenho". Ele teve a maior parte de sua vida na obra de Deus. É claro que o equilibrio cabe á qualquer servo(a) de Deus. Um tempo com a familia, e a maior para com Deus, e estar com Deus, na maioria das vezes, é estar para o povo de Deus. Como tem sido o seu convivio com os irmãos a maior parte de sua vida? 

 

Essa preocupação de Paulo nos leva a pensar na igreja do sonho de Deus, uma igreja viva, amorosa, espiritual, atuante, unida, em comunhão, mas acima disto, o que Salomão escreveu mas não viu "Quem é esta que aparece como a alva do dia, formosa como a lua, brilhante como o sol, terrível como um exército com bandeiras?" Ct.6:10, e que o Salmista registrou "O Senhor deu a palavra; grande era o exército dos que anunciavam as boas novas." Sl.68:11, que mostra a excelência do desafio missionário da igreja de Jesus na terra "anunciar as boas novas".

 

Uma igreja perseguida, mas triunfante no cumprimento do mandamento do Senhor. Fecham igrejas hoje, quase que por nada, por apenas politicagem, mas esquecem que " e as portas do inferno não prevalecerão contra ela"(Mt.16:18).

 

 3.   PAULO SE PREOCUPA COM OS FALSIFICADORES DA PALAVRA DE DEUS

 

3.1 A visão do triunfo do evangelho no mundo e bom cheiro de Cristo nos mensageiros: A chegada do evangelho de Cristo em Corinto, nada mais foi do que um inicio objetivo da igreja de Cristo (Mc.16:15). O evangelho é a boa noticia de que Cristo morreu e ressussitou e que voltará. Paulo anunciou o poder do Ressurreto; logo a mengagem da Palavra de Deus foi; e é; o "poder de Deus, para todo aquele que crê". (Rm.1:16). Quando Paulo diz "...sempre nos faz triunfar em Cristo, e por meio de nós, manisfesta em todo o lugar o cheiro do seu conhecimento" (2:14), onde o evangelho chega traz o aroma agradável para á alma. O evangelho chega como mel, para o amargo, como lirio para nos que estão nos vales perdidos; como o maná para saciar a fome e como a rosa de Saron para por fragância na vida. Deus aprecia bons aromas; Ele apreciou o aroma das esperiarias para o incensário no tabernáculo, na festas dos tabernaculos, não podia faltar plantas cherosas, como sândalo, salgueiro etc... Mais muito mais que elementos, é a vida que Deus está interressada em cheirar. Se os atos pecaminosos, cheiram mal as narinas de Deus, (Ex.3; Gn.18), o que dizer de um homem é uma mulher de Deus que vive para Agradar á Deus? Paulo acreditava que não só ele com seus companheiros eram o bom cheiro de Cristo, mas todos os irmãos que também passavam o que tinham aprendido de Paulo. A chegada de quem tem o cheiro de Cristo, causa em alguns muito espanto; em At.19 os homens disseram " Estes homem que tem transtornado o mundo, chegaram até aqui". Para alguns suas chegadas cheiravem vida, mas para outros morte; de qualquer forma, isto sempre foi uma marca no apostolo Paulo, ele pregava "todo o conselho de Deus", e chegava com "a plenitude da benção de Deus"  isso era para todos, quem quisessem dar crédito; em muitas de suas pregações uns criam e outros não; no episódio do Aeropago que segundo alguns historiadores tinham mais de 5 mil pessoas naquele lugar, por ser um lugar pagão, apenas chegaram á ele "alguns homens, creram; entre os quais foi Dionísio, areopagita, uma mulher por nome Dâmaris, e com eles outros."At.17:34.

 

 3.2 A ameaça dos falsificadores da Palavra de Deus: Paulo tinha uma preocupação 2Co.1:17 "Porque nós não somos, como muitos, falsificadores da palavra de Deus, antes falamos de Cristo com sinceridade, como de Deus na presença de Deus"

 

Paulo deixa claro que sua preocupação não era de invejosos que pregavam. 2Co.12:20; Fl.1:15., Ele fala dos falsificadores da Palavra de Deus; mais precisamente dos mercenários, comerciantes baratos de uma evangelho light sem renuncia. Ministérios interessados na lã da ovelha, e não na ovelha que dá lã (Ez.34); de ministros que dão óculos verdes para as olhevas pensarem que estão comendo uma boa grama verde. Profetas de quilinhos de carne, que recebem cachê para falar o que não vêem. Ministros que estão atrás das melhores ofertas, ou por assim dizer, nos melhores holofótes. Que desmarcam convites com igreja; que por alguns são chamadas de "igrejinha", e reagendam em megas eventos.

 

 

 Mas falar muito pode não ter fim; mas vale deixar uma pergunta: Porque existem "muitos" falsificadores da Palavra de Deus nos dias de hoje? Não digo que só exista uma resposta; mas penso em algumas delas: Falta de preparo teológio e espiritual por parte de alguns obreiros em At.6:4 existe uma busca que não pode faltar na vida do servo(a) aplicado(a). Muitos jargões copiado de pregadores, pensando que com isso a igreja irá explodir; e olha que em alguns casos até explodem "sem razão". Existe ainda um povo Bereano (At.17:11); mas infelizmente existe um povo louco por modismos, tipo do copo, etc.. é melhor parar.

 

Se cada um se preocupar com  a "Doutrina" a coisa muda. Paulo se destacou em seu ministério por causa da seriedade com a doutrina (2Tm.2:15). Infelizmente alguns ainda tem em mente que doutrina é roupa, cabelo etc.. E o pior; que a Teologia é do Diabo; pois bem tenta dar uma sabatina no Diabo para ver se ele não responde tudo; graças a Deus pelo que Mateus registrou "Está escrito". Se Cristo disse está escrito é porque Ele leu, ele entendeu, ele guardou, ele utilizou corretamente como uma espada, fazendo o alheio correr.

 

A verdadeira doutrina:

 

Provoca admiração por que é do Senhor (Mt.7:28;Mc.11:18; At.13:12) 

 

Precisa ser espalhada (At.5:28) 

 

É aceita de coração (Rm.6:18)

 

 

Deve ser preservada no seio da igreja (1Tm.1:3;10) 

 

Deve ser zelada por cada crente (1Tm.4:16;5:17) 

 

Deve ser exposta como ela é (Tt.2:1;Sl.119:130) 

 

Deve ser bela na vida do crente sem ele ter uma Biblia embaixo do braço como ela é (Tt.2:7;10119:130).

 

 Ainda em nossos dias admira-nos ouvir que tem lugar que não se tem doutrina propriamente dita. Para uma luta contra os falsificadores da Palavra de Deus; precisamos ter em nosso "cardápio de delicias" as doutrinas fundamentais para nosso crescimento; sustancia; defesa, ataque e argumentação; porque temos apetite pela Palavra; façamos como Jeremias "Achando-se as tuas palavras, logo as comi, e a tua palavra foi para mim o gozo e alegria do meu coração" (Jr.15:16)

 

 Quais palavras? A doutrinárias:  

 

 

 Trindade, Bibliologia, Adoração, Atributos de Deus, Eleição, Adoção, Alianças, Anjos, Cristologia, Tabernáculo, Expiação, Graça, Justificação, Redenção, Pecado, Salvação, Santificação, Batismo em águas, Igreja, Batismo com o Espírito Santo, Dons Espirituais, Fruto do Espírito, Fé , Mordomia, Escatologia etc.. Na verdade temos muito com o que nos ocupar. Que Deus nos ajude.

 

 

 

Conclusão: A glória do ministério cristão é uma composição galgada com anos e sinceridade na presença de Deus. Se queremos ser triufantes no ministério; as palavras confiabilidade, boa consciência, autenticidade, responsabilidade e zelo devem seguir em nossa atuação no reino de Deus.  São estas coisas que irão fazer a diferença para o tipo de servo(a) de Deus precisa para este último instante da igreja na terra; terminamos com as palavras de Paulo "Porque nós não somos, como muitos, falsificadores da palavra de Deus, antes falamos de Cristo com sinceridade, como de Deus na presença de Deus." 2Co.2:17 Pb. Fernando Cardoso

 

 

562 visualizações

Nenhum comentário para "Momento Ebd - A gloria do ministerio cristao"

Deixe seu comentário aqui

Quanto é 17 + 20 ?
Assembleia de Deus Ministério de Perus